SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número1Investigação sobre a relação entre as competências de liderança, inteligência emocional e estilos de liderança dos gestores russos nas multinacionaisO efeito dos ciclos de vida na indústria e das alianças estratégicas na elaboração dos contratos de trabalho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possui artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Bookmark

Economia Global e Gestão

versão impressa ISSN 0873-7444

Economia Global e Gestão v.15 n.1 Lisboa abr. 2010

 

É a imagem empresarial de Cabo Verde um espelho do seu potencial de desenvolvimento económico e social?

 

Jorge Lopes*, Carlos Balsa** e Alcina Nunes***

* lopes@ipb.pt

Doutor em Economia de Construção (University de Salford, Reino Unido). Professor Coordenador no Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. / PhD in Construction Economics (University of Salford, UK). Professor at the Polytechnic Institute of Bragança, Portugal.

** balsa@ipb.pt

Doutor em Métodos Numéricos (Universidade de Toulouse). Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. / PhD in Numerical Methods (University of Toulouse). Assistant Professor at the Polytechnic Institute of Bragança, Portugal.

*** alcina@ipb.pt

Doutora em Economia (Universidade de Coimbra, Portugal). Professora Adjunta no Instituto Politécnico de Bragança. / PhD in Economics (University of Coimbra, Portugal). Assistant Professor at the Polytechnic Institute of Bragança, Portugal.

 

 

RESUMO

O desenvolvimento sustentado de uma economia passa pela sua capacidade de atrair investimentos que, ao criarem empresas, geram emprego e riqueza. Recorrendo a indicadores internacionais de atractividade empresarial – que incluem indicadores de empreendedorismo, inovação, burocracia e corrupção e os tradicionais indicadores de crescimento e desenvolvimento económico – vai tentar perceber-se qual a relação entre a imagem empresarial que o mundo associa a Cabo Verde e o seu potencial de crescimento e desenvolvimento na última década. Conclui-se que a estabilidade política, reconhecida no contexto político e empresarial internacional, permite atrair investimentos estrangeiros mas o desenvolvimento da economia cabo-verdiana ressente-se de uma fraca performance económica e empresarial.

Palavras-chave: Empreendedorismo, Rankings Empresariais Internacionais, Desenvolvimento Económico

 

Is Cape Verde’s entrepreneurial image a mirror of its economical and social development?

ABSTRACT

One economy economic sustainable development relies on its capacity to attract investments which, by creating firms, generate employment and wealth. Using international entrepreneurship attraction indicators – that include not only the traditional indicators of growth and economic development but also up-to-date entrepreneurship, innovation, bureaucracy and corruption indicators – the paper tries to understand the relation between the international entrepreneurial image of Cape Verde and its growth and development potential during the last decade. The overall conclusion points out that the internationally recognized, political and social stability enhances the economy attractiveness potential related to foreign investment. That attractiveness ability is mitigated by a weaker economical and entrepreneurial performance, though.

Key words : Entrepreneurship, International Business Rankings, Economic Development

 

INTRODUÇÃO

Cabo Verde é uma economia jovem, de relativa pequena dimensão,que tem vindo a conquistar um lugar visível no panorama económico mundial,como atesta a sua adesão recente à Organização Mundial do Comércio (OMC) [1]. A abertura plena da economia ao comércio internacional reforça um percurso de desenvolvimento e crescimento económico em que Cabo Verde se assumiu, como uma das poucas economias africanas, a alcançar os objectivos traçados nos Millenium Development Goals e lhe permitiu a passagem, em Janeiro de 2008, para o grupo dos países de rendimento médio, de acordo com os padrões estabelecidos pelas Nações Unidas [2].

A transição do grupo de países menos desenvolvidos para a etapa seguinte de desenvolvimento não constitui, no entanto, um processo isento de dificuldades,colocando a economia numa fase crítica do seu processo de desenvolvimento económico e social (ADB, 2007). De facto, novos desafios se colocam num país fragmentado, de reduzida dimensão e recursos naturais escassos e com significativas lacunas nos sectores da educação, formação profissional e infra-estruturas. A consolidação dos indicadores de crescimento e desenvolvimento - tanto económicos como sociais – que assegurem um processo de desenvolvimento sustentável e a criação de condições para o desenvolvimento do sector privado, atracção de investimento e criação de emprego com o consequente resultado de erradicação da pobreza são dois desafios incontestáveis.

Considerando o enquadramento actual do processo de desenvolvimento de Cabo Verde reconhece-se, nomeadamente, a necessidade de alargar a base produtiva da economia, essencialmente fundada no sector dos serviços, de forma a incentivar o processo produtivo e a garantir a sua competitividade, não só nacional como também internacional. Fundamental para a expansão da base produtiva surge a capacidade de atractividade de investimento externo. Este constitui-se como um dos eixos das grandes opções de desenvolvimento de Cabo Verde, neste novo século, apostando-se na credibilidade externa das políticas macroeconómicas como um factor de atracção desse mesmo investimento.

Partindo do conceito de credibilidade externa, este trabalho pretende analisar e avaliar, com base em indicadores internacionais de atractividade empresarial, qual é a imagem transmitida pela economia aos potenciais investidores internacionais. Serão apresentados e analisados indicadores internacionalmente aceites de definição de risco e atractividade empresarial, aferidos e publicados por organizações internacionais de apoio ao desenvolvimento como o Banco Mundial ou as Nações Unidas, de forma a tentar perceber-se qual é a relação entre a imagem empresarial que o mundo associa a Cabo Verde e o seu potencial de crescimento e desenvolvimento económico.

Acresce-se ainda que tais indicadores são comummente utilizados pelos decisores políticos nacionais na definição de estratégias e políticas de crescimento e desenvolvimento económico e que são fundamentais para a apresentação do perfil de um território que se quer envolver numa estratégia económica de globalização e competitividade empresarial.

O presente estudo adoptará uma estratégia metodológica de análise descritiva, de médio e longo prazo, dos diversos indicadores de empreendedorismo, competitividade, inovação e adopção tecnológica, burocracia e corrupção, disponíveis publicamente em diversos fóruns mundiais de excelência, como se os autores se constituíssem como investidores potencialmente interessados. Assim, e do ponto de vista de um potencial investidor externo, o estudo seguirá os passos de uma análise crítica desses mesmos indicadores, procurando identificar relações entre eles e os tradicionais indicadores de crescimento e desenvolvimento económico de Cabo Verde.

Para atingir os objectivos propostos, o trabalho organiza-se da seguinte forma; a secção seguinte apresenta e discute um conjunto de indicadores macroeconómicos que caracterizam a economia cabo-verdiana; nas secções subsequentes o mesmo exercício é realizado, tentando avaliar-se o ambiente político e empresarial que caracteriza o território e, por fim, apresentar-se-ão as conclusões que se considerarem pertinentes.

 

INDICADORES ECONÓMICOS E SOCIAIS

Para se perceber qual é o contexto económico e social que um possível empreendedor externo encontrará em Cabo Verde, é importante caracterizar a sua estrutura produtiva e social, com base em tradicionais indicadores macroeconómicos e humanos. Estes indicadores apresentam-se nas Tabelas 1 e 2.

 

TABELA 1 – Indicadores macroeconómicos

 

TABELA 2 - Indicadores sociais

 

Na Tabela 1 pode observar-se como a economia de Cabo Verde se tem afirmado economicamente ao longo do Séc. XXI, permitindo-lhe integrar o grupo de economias de rendimento médio. Com uma capacidade de gerar riqueza crescente, e que nos anos de 2006 e 2007 se estima ter ultrapassado a taxa de crescimento de 10%, a economia apresenta, também, algumas fragilidades estruturais – a sua estrutura produtiva assenta, essencialmente, no sector dos serviços, encontra-se demasiado dependente das importações, não apresenta uma clara estabilidade dos preços e, apesar da evolução económica positiva, não absorve uma parte significativa da sua população activa.

Note-se que, apesar da crescente importância do sector industrial e, mais recentemente, do sector da construção, em detrimento da agricultura e pescas, estes sectores contribuem ainda com menos de 20% para a criação de riqueza. Em relação ao sector de construção, o peso relativamente elevado na economia traduz, por um lado, o seu efeito na criação de emprego e, por outro, a contribuição para o agravamento da balança de pagamentos devido a uma grande dependência externa para os materiais e equipamentos de construção. Simultaneamente, verifica-se que as importações acrescem a cerca de 55% do PIB enquanto as exportações se limitam a cerca de 5% do mesmo. A volatilidade no crescimento dos preços da produção é também um aspecto notório – períodos de deflação seguidos por períodos de crescimento mais acentuado no IPC deverão merecer uma atenção mais cuidada.

A taxa de desemprego elevada é um aspecto importante a ter em conta na caracterização económica de Cabo Verde. Especialmente porque associada à selecção de indicadores sociais, apresentada na Tabela 2, indicia a presença de uma fragilidade estrutural na capacidade de atrair Investimento Directo Estrangeiro (IDE) – a inexistência de mão-de-obra qualificada.

Observa-se, por exemplo, que apenas cerca de 41% de uma população, ainda marcadamente rural e apresentando taxas de iliteracia que podem atingir 27% das mulheres e 21% dos homens, está disponível para entrar no mercado de trabalho. De facto, estes factores não serão alheios ao facto de, em 2005, cerca de 16% da população viver abaixo dos limiares de pobreza – apesar dos esforços reconhecidos mundialmente para atingir as metas de desenvolvimento humano e que são visíveis na evolução positiva dos indicadores apresentados.

A constatação de uma evolução positiva dos indicadores humanos e do potencial de crescimento produtivo em Cabo Verde parece dar indicações de que as fragilidades, económicas e sociais, apontadas podem ser superadas e constituem-se como um sinal claro de atracção de investimentos directos estrangeiros (IDE) para a economia. Os dados apresentados no Gráfico 1, mostram precisamente este facto.

 

GRÁFICO 1 – Evolução das entradas e saídas de IDE

 

O gráfico mostra a importância das entradas de IDE em Cabo Verde. A tendência associada é, notoriamente, crescente acentuando-se nos anos últimos anos em análise – em 2007 o montante de investimento externo recebido pela economia ascendeu a cerca de 60% do seu PIB. A actual importância relativa da entrada de IDE, quando comparada com o PIB, é ainda mais notória quando se compara o stock de entradas de IDE com o grupo de países da África Ocidental em que Cabo Verde se insere. Os dados disponibilizados pelo organismo das Nações Unidas para o comércio e desenvolvimento – UNCTAD – são claros no que respeita à importância relativa de entradas de investimento estrangeiro em Cabo Verde. Se, no início do milénio, a percentagem de entrada de IDE em relação ao PIB era muito semelhante à dos seus vizinhos verifica-se, actualmente, uma descolagem acentuada de Cabo Verde, relativamente à África Ocidental, como receptor de IDE.

Ora, para além dos indicadores económicos e sociais apresentados, outros factores devem ser introduzidos para explicar esta tendência e para perceber se a mesma é robusta no futuro cenário de desenvolvimento da economia.

 

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE POLÍTICO E SOCIAL

De forma a promover, numa economia eminentemente global, uma actuação económica, política e socialmente sustentada dos agentes económicos que agem numa esfera mundial, várias organizações – públicas e privadas de âmbito mais ou menos global – têm desenvolvido esforços para criar indicadores diversos que sejam internacionalmente aceites e comparáveis.

Estes indicadores, apoiando-se em metodologias distintas possuem, em comum, o facto de gozarem de uma credibilidade reconhecida e de, por isso, poderem ser factores de influência para potenciais acções de investimento directo externo. Ao permitirem completar a análise de risco económico, político, social e até ambiental de uma economia, podem ser decisivos para a conclusão, ou não, de um processo de intenção de investimento

A apresentação de vários desses indicadores internacionais, das suas metodologias de cálculo e a respectiva análise de resultados constitui-se como a fase seguinte no processo de avaliação da capacidade de atracção de investimento internacional para Cabo Verde.

Considerado um guia indispensável para a análise da evolução democrática e da liberdade política no mundo, a publicação Freedom in the World (Freedom House, 2008) apresenta anualmente, desde 1972, um conjunto de indicadores de rating que avaliam comparativamente 193 países e 15 outros territórios em termos de direitos políticos, liberdades civis e estatuto em termos de liberdade, tal como experimentado pela população, com base na declaração universal dos direitos do homem.

De acordo com esta publicação, Cabo Verde é um país considerado «livre» desde 1991, resultando este facto da melhoria notória ao nível dos direitos políticos, desde esse período, e da melhoria contínua ao nível das liberdades individuais de expressão e da actuação autónoma dos indivíduos sem que exista interferência do poder político, tal como se observa no Gráfico 2.

 

GRÁFICO 2 – Evolução dos indicadores Freedom in the World para Cabo Verde

 

Acresce-se ainda, e de acordo com a mesma publicação, que Cabo Verde faz parte dos 46% do conjunto de 193 países observados que se considera apresentarem um ambiente político livre. Compõe ainda um conjunto restrito de 20,8% dos países da África subsariana que se considera possuírem tal tipo de ambiente político.

A opção pela análise primária do ambiente político que enquadra uma economia para a qual se analisa o risco de investimento é importante, porque tal anula incertezas quanto ao respeito de direitos fundamentais de propriedade e de liberdade de actuação empresarial. Note-se, no entanto, que os indicadores apresentados acima são demasiado latos, não se referindo especificamente ao ambiente económico e empresarial.

Para uma análise mais profunda de algumas liberdades associadas a aspectos empresariais pode analisar-se o Index of Economic Freedom publicado pela Heritage Foundation e pelo Wall Street Journal. A construção do índice, para um conjunto de 183 países, fundamenta-se na necessidade de avaliar a capacidade dos indivíduos para controlar os meios de produção – trabalho ou capital – e assim agirem livremente nas suas actividades de produção, consumo e investimento, auferindo, em simultâneo, da protecção pública esperada numa democracia.

A liberdade económica de um país é aferida através de 10 aspectos específicos que incluem as liberdades empresarial, comercial, fiscal, monetária, financeira, laboral e de investimento, os direitos de propriedade, a ausência de corrupção e a dimensão governamental (Heritage Foundation, 2009). Os indicadores que compõem o índice são avaliados de 0 a 100, com 100 a indicar o melhor valor para o indicador. Refira-se também que o valor do indicador, para um determinado ano, se refere aos aspectos observados no ano imediatamente anterior.

Apresentado o índice é possível observar, na Tabela 3, os resultados obtidos para Cabo Verde ao longo dos últimos nove anos, assim como a relação entre os componentes do índice para o último ano disponível, no Gráfico 3.

 

TABELA 3 – Evolução do Index of Economic Freedom e respectivos

 

GRÁFICO 3 – Índice de liberdade económica e respectivos componentes para 2009

 

Da análise da Tabela 3 e do Gráfico 3, é incontestável a evolução muito positiva em todos os componentes do índice de liberdade económica, excepto para a liberdade de investimento.

Também, para uma análise mais concreta do ambiente político em que se pondera a realização de um investimento, podem ser analisados os indicadores presentes no projecto Worldwide Governance Indicators patrocinado pelo Banco Mundial. O projecto tem calculado, desde 1996, indicadores de governação para 212 países para seis dimensões distintas de governação: responsabilidade social, estabilidade política e ausência de violência, eficácia governamental, controlo da corrupção e rule of law (Kaufmann et al ., 2008). Os dados que servem de base ao cálculo dos indicadores provêm de observatórios de empresas, cidadãos e especialistas nos países em análise. Os indicadores são apresentados numa escala de crescendo positivo que se calcula entre -2,5 e 2,5.

Na Tabela 4, os mesmos indicadores de governação são apresentados em termos percentuais de forma a comparar a actuação da economia em causa relativamente ao conjunto de países analisados. O valor percentual apresentado, em cada ano, indica a percentagem de países que se encontram abaixo do valor calculado para uma determinada economia. Assim, valores mais elevados indicam uma melhor posição da economia globalmente.

 

TABELA 4 – Evolução do Index of Economic Freedom e respectivos componentes

 

GRÁFICO 4 – Evolução de indicadores de governação

 

O indicador em que Cabo Verde se destaca refere-se à estabilidade política e à ausência de violência, seguindo-se a responsabilidade social, que indica uma boa capacidade dos cidadãos cabo-verdianos de participarem na selecção dos seus governantes, assim como a existência de liberdade de expressão, associação e informação. Em 2007, último ano para o qual estão disponíveis dados, cerca de 83% da população mundial de países coberta por estes indicadores apresentavam um grau de estabilidade política e ausência de violência menor, incluindo-se Cabo Verde no conjunto dos 25% de países em que a responsabilidade social apresenta os resultados mais elevados. Estas conclusões reforçam os resultados já observados, no campo político e cívico, através dos outros indicadores apresentados anteriormente.

Refira-se, no entanto, que tais resultados não são equivalentes a eficiência económica. A qualidade dos serviços públicos e a credibilidade das políticas públicas, medidas através do indicador «eficácia governamental», foram apontadas como aspectos menos positivos a atribuir à gestão pública cabo-verdiana. No entanto, é interessante a melhoria que tal indicador tem apresentado nos últimos anos, oferecendo sinais muito positivos para potenciais investidores. Em 2007, tal indicador colocava mesmo Cabo Verde no conjunto dos 35% de países considerados como tendo valores de eficácia governamental mais elevados.

Outro indicador de extrema importância na capacidade de atracção de investimentos, especialmente num continente como o africano, refere-se à capacidade de uma economia em controlar a corrupção – o indicador apresenta resultados positivos e tendencialmente crescentes nos últimos anos.

Para uma melhor análise deste aspecto, pode ainda introduzir-se um outro indicador internacional, de interesse reconhecido, exclusivamente destinado a medir a percepção que os cidadãos, em geral, e os empresários e instituições, em particular, possuem relativamente aos níveis de corrupção – entendidos como abusos públicos em função de ganhos privados e medidos pela frequência e/ou dimensão dos subornos – verificados nos sectores público e político. Designado por Corruption Perceptions Index (CPI), avalia tais níveis de corrupção através de fontes como os Bancos Africano e Asiático de Desenvolvimento, o Fórum Económico Mundial, o Freedom House, o Economist Intelligence Unit ou o World Competitiveness Yearbook. Os resultados para Cabo Verde mostram-se no Gráfico 5.

 

GRÁFICO 5 – Posicionamento no ranking Corruption Perceptions Index

 

A evolução do índice para a economia cabo-verdiana é evidente – de 2007 e 2008 subiu dois lugares no ranking colocando-se, em 2008, no 47.º lugar de países para os quais a percepção de existência de fenómenos de corrupção é menor.

A evolução muito positiva de indicadores de controlo da corrupção, tal como apresentada pelos World Governance Indicators, pelo Index of Economic Freedom ou pelo Corruption Perceptions Index, confere à economia sinais objectivos de que a realização de um investimento e o seu sucesso não estão dependentes de aspectos menos claros e controláveis económica e legalmente.

De facto, é importante para um investidor acreditar que os contratos que realizam se constituem como compromissos éticos sérios guiados por regras políticas, sociais e económicas universalmente reconhecidas e confiar que as instituições públicas em geral, e os tribunais em particular, zelam para garantir o seu cumprimento adequado. De regresso à análise dos World Governance Indicators, a observação do indicador rule of law indica o quanto um investidor poderá acreditar que os compromissos serão respeitados num determinado país. Ora, em 2007, 67% dos 212 países avaliados apresentavam valores mais baixos para tal indicador comparativamente aos apresentados para Cabo Verde.

Até ao presente momento, neste estudo, a análise de diversos indicadores construídos para avaliar, de forma comparativa, o risco de uma economia, demonstra os progressos verificados em Cabo Verde em termos de liberdade política, social e económica, bem como progressos ao nível do controlo de fenómenos de corrupção. No entanto, apesar dos vários sinais positivos transmitidos pela economia e que a colocam num grupo de países a considerar numa potencial opção de investimento, Cabo Verde não tem conseguido transmitir a mensagem de que tais esforços se constituem como um compromisso sério. O indicador que mede a qualidade da regulação pública, nos World Governance Indicators, apresenta valores negativos ao longo do tempo, mesmo apesar da evolução no sentido positivo. Os sucessivos governos, embora tal aconteça em mais 48% das economias no mundo, parecem ainda não ter sido capazes de implementar políticas de regulação e promoção de desenvolvimento do sector privado que beneficiem da confiança necessária para serem bem-sucedidas.

A análise da capacidade de criar factores de atracção de investimento directo estrangeiro não deve, contudo, limitar-se ao tipo de indicadores já apresentados. Se eles podem permitir reconhecer o território e adquirir confiança nas suas instituições políticas, não permitem avaliar factores empresariais mais concretos que possam influenciar o interesse em investir num determinado território. Outros factores como a agilidade burocrática e a segurança na constituição de uma empresa, no processo de produção e na distribuição interna e/ou externa da mesma, são os mais adequados para tal análise. Todos estes factores serão analisados através dos resultados obtidos por dois projectos do Banco Mundial que pretendem aferir do ambiente empreendedor existente nas economias mundiais – os projectos Doing Business e Business Surveys.

 

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE EMPRESARIAL E DA CAPACIDADE DE CRIAR NEGÓCIOS

Sendo dois projectos patrocinados pelo Banco Mundial, os projectos Doing Business e Enterprise Surveys apresentam-se como duas ferramentas de diagnóstico distintas, mas complementares. Diferem nas fontes de informação, na frequência de apresentação de determinada informação e no número de países abrangidos. O projecto Doing Business abrange actualmente 181 economias mundiais, para as quais são observados dados referentes à legislação e aos regulamentos e requerimentos administrativos, que podem influenciar a esfera empresarial da economia, enquanto o projecto Enterprise Surveys tenta captar a percepção que os indivíduos possuem relativamente ao ambiente empresarial em cerca de 111 economias – e para um universo de 90 000 empresas – menos desenvolvidas ou em vias de desenvolvimento.

Relativamente aos indicadores fornecidos pelo projecto Doing Business para Cabo Verde, os resultados globais apresentam-se no Gráfico 6.

 

GRÁFICO 6Evolução dos indicadores Doing Business

Os indicadores incluem a avaliação de itens administrativos relacionados com os procedimentos referentes à criação, processos de produção, comercialização e encerramento de uma empresa, entre outros aspectos relacionados com o processo produtivo. Mais especificamente, apresenta-se a posição relativa de uma economia relativamente aos seguintes tópicos: abertura e encerramento de empresas, obtenção de alvarás de construção e registo de propriedades, contratação de funcionários, obtenção de crédito, protecção de investidores, comércio internacional e cumprimento de contratos. Para cada um deles, o projecto ordena os países que analisam de 1 a 181, constituindo-se o tópico «fazer negócios» como o resumo dos restantes.

Para cada um dos tópicos apresentam-se, no Gráfico 7, os factores que determinam o seu resultado final, podendo comparar-se Cabo Verde com os seus vizinhos regionais e com o grupo de países mais desenvolvidos e que integram a OCDE.

 

Gráfico 7 – Indicadores Doing Business I

 

Em termos globais, o que se observa para Cabo Verde relativamente aos dois últimos anos no panorama do empreendedorismo mundial, é um posicionamento menos desejável relativamente a parte dos tópicos em causa. Refira-se, no entanto, o bom posicionamento do país nos itens «cumprimento de contratos» – indubitavelmente influenciado pelo bom ambiente político e social já constatado na secção anterior – e «comércio internacional», a que não será alheio a adesão da economia à Organização Mundial do Comércio.

De facto, em termos de cumprimentos de leis contratuais estima-se que o número de procedimentos jurídicos relacionados com disputas, o tempo despendido, assim como os custos associados, estão muito próximos do que acontece nas economias mais desenvolvidas. Relativamente ao comércio internacional, o mesmo acontece demonstrando que, neste aspecto, a burocracia não se constitui como um obstáculo aos factores de atracção para IDE.

O mesmo não acontece relativamente a outros factores fundamentais para atrair investidores. Abrir uma empresa, por exemplo, exige realizar o dobro de procedimentos administrativos que num pais mais desenvolvido e demora quatro vezes mais tempo. É ainda um processo dispendioso (especialmente para os investidores nacionais) que pode representar cerca de 50% do PIB per capita de um cabo-verdiano. Aliadas à dificuldade em abrir uma empresa, refiram-se as dificuldades (processuais e financeiras) em obter alvarás de construção e em registar propriedades. Note-se, também, a notória inflexibilidade do mercado de trabalho – muito superior ao que se observa na OCDE e mesmo na região – e que, como se viu anteriormente, apresenta lacunas de qualificação evidentes. Refira-se, por fim, a ausência registada de procedimentos para encerramento de empresas que coloca o país no último lugar do ranking, no que se refere a este aspecto.

O resumo de todos estes aspectos coloca Cabo Verde na posição 143 do ranking de economias em que é mais «fácil» realizar negócios. Ora, não sendo uma posição confortável quando se pretende atrair investidores, torna-se ainda mais desconfortável quando se observa que o país já apresentou indicadores de maior facilidade.

A generalidade dos itens apresentados pioraram, o que se deve constituir como um claro aviso para os decisores públicos. A economia apresenta condições políticas e cívicas que lhe permitiriam apresentar indicadores empresariais com maior capacidade de atractividade.

O projecto Enterprise Surveys tenta ir para além da análise de procedimentos e custos administrativos, ao procurar captar a percepção empresarial sobre os maiores obstáculos que a implementação de um negócio pode enfrentar em cada uma das economias em desenvolvimento. Ao mesmo tempo, procura posicionar a economia no palco da competitividade empresarial. Para atingir os objectivos referidos, o projecto inquire empresas a operar em cada território relativamente a aspectos como regulamento e impostos, licenças, corrupção, criminalidade, economia informal, infra-estruturas, inovação e tecnologia, comércio e mercado de trabalho. Os factores que influenciam cada um dos aspectos gerais que se pretende avaliar, são apresentados no Gráfico 8. Para Cabo Verde, os dados disponíveis referem-se a 2006 e comparam-se com os resultados obtidos para a região e para o conjunto das 111 economias que foram estudadas nesse ano.

 

GRÁFICO 8 – Indicadores Enterprise Surveys

 

O Gráfico 8 é rico em informação que se tentará resumir nos pontos fortes e fracos e que permitirão definir um perfil de atractividade da economia cabo-verdiana.

Um primeiro aspecto a salientar refere-se à participação das mulheres na actividade empresarial – cerca de 42% das empresas observadas possuem algum tipo de participação feminina na propriedade e cerca de 12% possuem mulheres em lugares de chefia – embora apenas uma pequena percentagem de mulheres seja empregada a tempo completo. Este aspecto, aparentemente contraditório, não parece ser mais do que o resultado de algumas das constatações das secções anteriores – ambiente caracterizado por um elevado respeito pelas liberdades pessoais e por deficiências várias no mercado de trabalho. Num relacionamento também muito estreito com as conclusões retiradas da observação do ambiente sociopolítico, constata-se que as empresas cabo-verdianas notam os progressos realizados ao nível da corrupção ao contrário do que acontece nas outras economias – onde é um aspecto considerado de grande constrangimento para a iniciativa empresarial.

De facto, os grandes constrangimentos apresentados pelas empresas em Cabo Verde referem-se, em grande medida, a procedimentos burocráticos e administrativos, assim como aos custos associados à actividade empresarial. O número de dias para obter licenças, nomeadamente de construção, as taxas de imposto inerentes, o tempo despendido a gerir requerimentos e regulamentos, apresentam valores superiores, tanto no que respeita aos países da região, como às restantes economias mundiais com as quais Cabo Verde mais se compara. Outro aspecto que poderá afastar um potencial investidor refere-se à criminalidade que, em termos absolutos, é o factor mais referenciado como constrangimento à actividade empresarial, assim como aquele que origina mais perdas em percentagem das vendas. Ainda no que respeita a aspectos menos positivos, refira-se o elevado número de respostas que demonstra ser significativa a competição de uma economia informal.

No que se refere a infra-estruturas, salienta-se o facto conhecido de que Cabo Verde é um território com problemas no abastecimento de água, factor que, sendo ambiental, deve merecer um especial cuidado dos governos. Este aspecto, associado a uma menor adopção de inovações e tecnologias, deve ser objecto de investimento público, para permitir a criação de condições físicas que ultrapassem os conhecidos obstáculos ambientais e, consequentemente, desenvolver condições de atractividade externa.

A análise dos elementos constantes no gráfico reforça ainda as observações já realizadas relativamente às fragilidades do mercado de trabalho, nomeadamente a fraca participação da população activa numa actividade a tempo completo. Note-se, no entanto, que parece existir uma tentativa para ultrapassar tais fragilidades. Cabo Verde apresenta a maior taxa de empresas que oferece formação formal aos seus trabalhadores numa clara abordagem ao problema das fracas qualificações da mão-de-obra disponível.

 

CONCLUSÃO

Cabo Verde é um território pequeno com problemas estruturais, inerentes à sua localização geográfica e à sua juventude como nação, que tem conseguido alcançar um estatuto de economia em desenvolvimento – num grau intermédio entre países de baixos rendimentos e países mais desenvolvidos – num ambiente de crescente liberdade política e social. Tal ambiente é notório nas análises internacionais de risco político e tem-se vindo a materializar em indicadores sucessivos de sucesso em termos de desenvolvimento humano e social.

Apesar da boa classificação do país nos rankings de risco político e social, é também notório, para um potencial investidor externo, que tal ainda não se espelha em indicadores que avaliam as potencialidades de empreendedorismo numa economia. Tais indicadores permitem concluir a existência de um fraco desempenho ao nível da atractividade empresarial externa. Saliente-se, no entanto, que são visíveis os esforços para ultrapassar aspectos menos positivos observados relativamente ao ambiente empresarial existente e que a tais esforços não serão alheios os investidores internacionais, dado o crescimento do fluxo de entradas de IDE nos dois últimos anos.

Note-se, por fim, que o país se caracteriza por um elevado grau de abertura ao exterior o que, sendo um bom sinal para potenciais interessados numa cooperação económica com Cabo Verde, coloca a economia numa posição de fragilidade no actual contexto de crise económica mundial, podendo assim comprometer os avanços alcançados e, consequentemente, o potencial de desenvolvimento que vem demonstrando nos últimos anos. A dependência de fluxos de exportação, remessas dos emigrantes, do turismo e do IDE, que se contraem em períodos de recessão económica, deve merecer um especial cuidado por parte dos decisores públicos para que não se hipoteque os desenvolvimentos alcançados. Estes devem também ver, neste período de crise, a oportunidade para alterar factores estruturais que caracterizam a economia e entre os quais se destaca a importância de desenvolver uma actividade produtiva com uma maior base industrial em detrimento da actual base produtiva assente em serviços.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AFRICAN DEVELOPMENT BANK (2007), «ADB and Cape-Verde: 30 years of partnership».

AFRICAN DEVELOPMENT BANK (2008), «Selected statistics on african countries», Volume XXVII.

FREEDOM HOUSE (2008), «Freedom in the world 2008: the annual survey of political rights and civil liberties».

KAUFMANN, D.; KRAAY, A. e MASTRUZZI, M. (2008), « Governance Matters VI: Aggregate and Individual Governance Indicators 1996–2007». World Bank Policy Research, Working Paper n.º 4654.

UNCTAD, «World Investment Report 2008».

WORLD BANK (2007), «Enterprise Surveys Country Profile – Cape Verde 2006».         [ Links ]

WORLD BANK (2009), «Doing Business – Country Profile for Cape Verde».

 

NOTAS:

1. Em 2008, Cabo Verde tornou-se o 153.º membro efectivo da OMC.

2. Resolução 59/2009 das Nações Unidas de Dezembro de 2004.