SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número3Maus tratos infantis e percursos na toxicodependênciaNovos usos de drogas: um estudo qualitativo a partir das trajectórias de vida índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possui artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Bookmark

Toxicodependências

versão impressa ISSN 0874-4890

Toxicodependências v.16 n.3 Lisboa  2010

 

Representações Sociais da Droga e da Toxicodependência. Inquérito à população jovem presente no Rock in Rio – Lisboa 2008

 

Vasco Gil Calado, Elsa Lavado

Núcleo de Estudos e Investigação / DMFRI Instituto da Droga e da Toxicodependência, I.P.

CONTACTOS

 

RESUMO

Este artigo apresenta parte das principais conclusões do estudo Percepções e Representações Sociais da Droga e da Toxicodependência. Inquérito à população jovem presente no Rock in Rio – Lisboa 2008. Tomando em consideração uma amostra de 1165 jovens que estiveram presentes neste festival de música, conclui-se que os respondentes tendem a considerar a droga um problema grave da sociedade portuguesa, embora sem provocar grande alarme social. A representação social da droga é entendida mais no plano individual do que social, afastando-se hoje de problemáticas como a delinquência, o crime ou a repressão. Conclui-se, ainda, que, para os respondentes, consumidores e toxicodependentes são, no plano simbólico, entidades diferentes e autónomas.

Palavras-chave: Representações Sociais; Droga e Toxicodependência; Juventude.

 

RÉSUMÉ

Cet article présente partie des principales conclusions de l’étude Perceptions et Représentations Sociales de la Drogue et de la Toxicomanie. Enquête à la population jeune présente au Rock in Rio -Lisbonne 2008. En prenant en considération un échantillon de 1165 jeunes qui ont été présent à ce festival de musique, il se conclut que les répondants tendent à considérer la drogue un grave problème de la société portugaise, mais sans provoquer grand alarme sociale. La représentation sociale de la drogue est perçue plus sur le plan individuel que social, en s’éloignant aujourd’hui de problématiques comme la délinquance, le crime ou la répression. Il se conclut, aussi, que, pour les répondants, des consommateurs et des toxicomanes sont, dans le plan symbolique, entités différentes et indépendantes.

Mots-clé: Représentations Sociales; Drogue et Toxicomanie; Jeunes.

 

ABSTRACT

It is presented the main results of the study Perceptions and Social Representation on Drugs and Drug Addiction, Inquiry to the Youth present in Rock in Rio – Lisboa 2008. Considering a sample of 1.165 teenagers and young adults, one can conclude that drugs are con­sidered a serious social problem, although without generating much social alarm. Drugs social representation is today more individual based than social, less associated to problems such as crime, delin­quency or repression. Further more, one can also conclude that symbolically, to those interviewed, drug consumers and drug addicts are different and autonomous concepts.

Key Words: Social Representation; Drugs and Drug Addiction; Youth.

 

RESUMEN

Este artículo presenta parte de las principales conclusiones del estudio Percepções e Representações Sociais da Droga e da Toxicodependência. Inquérito à população jovem presente no Rock in Rio – Lisboa 2008. Considerando una muestra de 1165 jóvenes que estuvieron presentes en este festival de música, se concluye que los inquiridos tienden a considerar la droga un problema grave de la sociedad portuguesa, aunque sin provocar gran alarma social. La representación social de la droga es entendida más en el plan individual que social, se alejando, hoy, de problemáticas como la delincuencia, el crimen o la represión. Aún se concluye que, para los inquiridos, consumidores y drogodependientes son, en el plan simbólico, entidades diferentes y autónomas.

Palabras Clave: Representaciones Sociales; Droga y Drogodependencia; Juventud.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Agra, C. (1998). Entre Droga e Crime, Lisboa: Editorial Notícias.

Aquatias, S. (2001). Les Consommations de Produits Psychoactifs dans les Milieux Festifs de la Culture Rock, Ivry sur Seine: RES – Recherche et Sociétés.

Balsa, C. et al. (2004). Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População Portuguesa, Lisboa: IDT.

Balsa, C. et al. (2008). Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População Geral – Portugal 2007, Lisboa: IDT.

Calado, V. (2006). Drogas Sintéticas. Mundos Culturais, Música Trance e Ciberespaço, Lisboa: IDT.

Calafat. A. et al. (1999). Night Life in Europe and Recreative Drug Use. Sonar 98, Palma de Maiorca: IREFREA.

Carvalho, M. C. (2007). Culturas Juvenis e Novos Usos de Drogas em Meio Festivo, Porto: Campo das Letras.

Carvalho, M. C. (2008). “Investigação Naturalista em Contextos Recreativos – usos de substâncias e violência”, Disponível em linha em http://www.clat-virtual.com/downloads/M3-C9.pdf.

Chaves, M. (1998). “Consumos de «Novas Drogas»: Pontos de Partida para a Investigação Sociológica” in Toxicodependências, 4 (2).         [ Links ]

Dias, F. (2001). Droga e Toxicodependência na Imprensa Escrita, Lisboa: Instituto Piaget.

Durkheim, é. (1912). Les Formes Élémentaires de la Vie Religieuse, Paris: PUF.

Fernandes, L. (1998). O Sítio das Drogas, Lisboa: Editorial Notícias.

Fernandes, L. & Ribeiro, C. (2002). “Redução de Riscos, Estilos de Vida Junkie e Controlo Social” in Sociologia, Problemas e Práticas, nº39.

Geertz, C. (1978). A Interpretação das Culturas, Rio de Janeiro: Zahar.

Gomes, M. (2006). “Modos de Percepção das Drogas em Portugal: Resultados Preliminares”, CIES e-Working Paper nº18/2006. Disponível em linha em https://repositorio.iscte.pt/bitstream/10071/182/4/CIES-WP18_gomes_.pdf

Henriques, S. (2003). O Universo do Ecstasy. Contributos para uma análise dos consumidores e ambientes, Azeitão: Autonomia.

Herzlich, C. (1969). Santé et Maladie. Analyse d’une Représentation Sociale, Paris: école des Hautes études en Sciences Sociales.

IDT (2007). Relatório de observadores do Rock in Rio 2006, Lisboa: IDT.

Jodelet, D. (dir.) (1989). Les Représentations Sociales, Paris: PUF.

Lomba, L. (2006). “O Consumo Recreativo de Ecstasy” in Relvas, J. et al. – Novas Drogas e Ambientes Recreativos, Loures: Lusociência.

Moscovici, S. (1961). La Psychanalyse – Son Image et son Public, Paris: PUF.

Mourão, V. & Amaro, F. (2008). “Identidades Fracturadas: Consu­midores e Abstinentes de Droga em Meio Universitário” in VI Congresso Português de Sociologia. Disponível em linha em www.aps.pt/vicongresso/pdfs/177.pdf

OEDT (2002). As Drogas em Destaque. O Consumo Recreativo de Drogas, Nota 6, Lisboa: OEDT.

Parker, H. et al. (1998). Illegal Leisure. The Normalization of Adolescent Recreational Drug Use, Londres: Routledge.

Quintas, J. (2000). “Consumos de Drogas: Realidades e Representações Sociais” in Toxicodependências, 6 (3).

Rebelo, M. (1999). “Traços Contínuos de Diversão: Ravers e Raving” in Pais, J. (Coord.) – Traços e Riscos de Vida, Porto: Âmbar.

Silva, V. (2005). “Techno, House e Trance. Uma Incursão pelas Culturas da «Dance Music»” in Toxicodependências, 11 (3).

Vala, J. (1993). “Representações Sociais – para uma Psicologia Social do Pensamento Social” in Vala, J. & Monteiro, M. (Coord.) – Psicologia Social, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Valentim, A. (1997). Representações Sociais da Droga e da Toxicodependência. Um Estudo Empírico na Península de Setúbal Junto de Párocos e Médicos, Lisboa: Instituto de Ciências Sociais.

Valentim, A. (2001). “Droga, Liminaridade Social e Utilização de Ersatzs” in Torres, N. & Ribeiro, J. P. – A Pedra e o Charco. Sobre o Conhecimento e Intervenção nas Drogas, Almada: Íman Edições.

 

CONTACTOS:

VASCO GIL CALADO

Antropólogo Núcleo de Estudos e Investigação / DMFRI Instituto da Droga e da Toxicodependência, I.P. Praça de Alvalade, 7, 6º, 1700-036 Lisboa 211119039 vasco.calado@idt.min-saude.pt

ELSA LAVADO

Estatística Núcleo de Estudos e Investigação / DMFRI Instituto da Droga e da Toxicodependência, I.P. Praça de Alvalade, 7, 6º, 1700-036 Lisboa 211119037 elsa.lavado@idt.min-saude.pt

 

Artigo recebido em 23/09/10; versão final aceite em 20/10/10.